Brazilian police finally found the black bloc leader: Mikhail Bakunin.

Maria Madá não gosta de fotos de pessoais Maria Madá não gosta de fotos de pessoais

Maria Madá não gosta de fotos de pessoais

"You are my 3 AM thoughts."
— six word story (via fearlessknightsandfairytales)

(Source: kushandwizdom)

(Source: ldarknessl)

(Source: thinksquad)

(Source: zoiodlula)

(Source: kanabreeze)

image

Em 2014 completou-se 50 anos do começo da Ditadura Militar. Nada mais justo para um país que nunca conseguiu se livrar dos laços autoritários do que comemorar o cinquentenário instaurando uma nova ditadura.

Após as jornadas de junho de 2013, que mobilizou milhões e milhões de pessoas e tremeu as bases do poder instituído do velho estado brasileiro, agora vem a Reação: criminalização de manifestantes, campanhas públicas de difamação pela imprensa burguesa, presos políticos, a volta do “sujeito perigoso”, a perseguição política, o estado policial.

Mas mesmo com essas perseguições, que são alicerçadas pela mídia (lideradas pela Globo, claro), mostram o quão perdido o velho estado está, e também mostram o medo dos que estão no poder. O que está em jogo na reação é o medo de perder os privilégios históricos hereditários, oligárquicos e não menos republicanos, na insana forma de criminalizar, perseguir e violentar quem vá contra os seus interesses. E assim usam as últimas ferramentas que lhes restam para manter esse Estado apodrecido por uma corrupção desenfreada.

A essas pessoas que lutam e agora sofrem com a perseguição pública dos meios e do Estado, a História lhes absorverá, não pela covardia e muito menos pela omissão dos que optaram pelo conforto de não criticar ou lutar, mas sim pela coragem dos que optaram pelas lutas revolucionárias, a revolta contra o Estado opressor, ignorante, conservador, reacionário de periferia do capitalismo predatório, violento, assassino, torturador de quem quer que seja que se levante contra ele.

Eis aqui nossa “justiça”. Eis aqui a moral burguesa caluniosa, que historicamente criminaliza todos movimentos sociais, contra tudo e todos que não seguem as regras e condutas da sua moral social hipócrita contra quem não segue padrões de sociedade de controle; assistida, vigiada, monitorada todo tempo.

São tempos sombrios, e o martírio dá medo. Mas não temamos, pois o futuro vos pertence.